Por: Rosilene Borges

Segundo o historiador Leandro Karnal, 56 anos, o nosso país sempre foi um país com muita violência e muito ódio, porém a diferença é que na atualidade a internet colocou as pessoas em mais contatos umas com as outras.

No programa Roda Viva desta segunda-feira (16), Karnal e os colegas Mario Sérgio Cortella e Luiz Felipe Pondé foram os entrevistados. Os três são autores do livro “Felicidade, modos de usar”, que está sendo lançado pela Editora Planeta.

Extrema violência e extremo ódio

“A nossa história é uma história de extrema violência e extremo ódio. Episódios como Canudos, Contestado, Revolta da Vacina, são de uma violência espantosa, até para os padrões mundiais. Só que a internet colocou o ódio em contato, ela não criou nada, ela apenas colocou em contato esse ódio”, disse Karnal,

Essa resposta de Leandro Karnal foi condicionada a uma pergunta da apresentadora Daniela Lima, sobre o Brasil ser “um país infeliz”, em seguida foi proposta pelo historiador um debate com os colegas entrevistados.

O professor Mario Sérgio Cortella, seguiu a mesma linha raciocínio e disse que o Brasil passa nesses últimos quatro anos por um processo de “implosão” da ideia de que era o país harmônico.

“Acho que há um “desfarsar”, respeitado que a palavra desse modo escrita não existe. Mas tirar aquilo que era um certo disfarce de nossa parte, enquanto uma convivência nacional que de maneira alguma era marcada por harmonia, ao contrário, ela sofria represamento, tinha em grande medida um abafamento daquilo que eram as grandes paixões, entre elas a raiva, o ódio, a fratura da convivência e nós tivemos a ocasião, nos tempos mais recentes, especialmente nos quatro anos mais recentes para que isso pudesse implodir. Tirou a farsa “desfarsou”, o que significa que nós descobrimos que também somos assim”, afirmou

Pondé concordou, disse que “o Brasil nunca foi um país suave”, e afirmou acreditar que “parte dessa felicidade brasileira sempre foi um ativo do turismo brasileiro. Então há uma preocupação dos setores de entretenimento de manter a felicidade como ativo turístico.”

Com informações:UOL

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS