O livro 12 regras para a vida do Jordan Peterson, é um dos livros mais famosos dele e logo na primeira regra citada pelo autor já dá muito o que se pensar e refletir, Costas Eretas e ombros para trás.

No início do livro Peterson dá quase uma aula de biologia sobre Lagostas, um bicho que ninguém sequer lembra que existe ou pensa que pode ter um comportamento tão complexo e em alguns aspectos muito parecidos com o humano.

O ser humano valoriza demais o seu status de inteligente quase como algo sobrenatural e embora mais inteligentes que a maioria dos animais, nós ainda trazemos comportamentos primitivos e simples que foram diluídos pela evolução do raciocínio e da cultura, mas eles ainda estão lá.

No livro, Peterson faz uma relação entre o comportamento de lagostas ao de seres humanos, e acredite nós temos muito mais em comum com esses bichos do que se imagina, desde a organização social até os mecanismos de recompensa e prazer.

Essa relação faz das lagostas mais inteligentes do que se espera ou dos humanos mais burros do que parecem. Não sei, mas com isso dá para aprender muitos aspectos do comportamento humano, desde o individuo até o social.

Muito se fala no poder da mente sobre o corpo humano, mas é bem difícil ver algo falar sobre o poder do corpo sobre a mente. A maioria dos discursos manda você pensar positivo e ver as coisas com mais otimismo, e isso em tese, traria melhoras no seu próprio status mental e social.

Mas algo que parece ser tão eficaz quanto, é a sua postura perante a sociedade e a maneira como você se mostra.

Isso quer dizer que, por exemplo, que as pessoas que são frágeis mentalmente, acabam mostrando isso em seu corpo, na sua postura corporal, essa fragilidade fica evidente nos olhos, na cabeça baixa, nos ombros caídos nas costas curvadas e isso por si só passa uma mensagem ao outro de quem você é, e segundo o próprio livro, de qual posição social você pertence.

Mesmo entre as lagostas isso também é presente, dentro da sociedade das lagostas é completamente evidente quem é que manda e quem obedece só pelo comportamento que elas mostram, agressividade e sua postura corporal.

E eu pergunto a vocês, em nossa sociedade isso é diferente? Aqui também quem manda tem postura que manda e quem obedece tem também tem postura de que obedece e isso não tão é pensado, vem do inconsciente.

A ideia é que se você se sente um fracassado vai colocar essa postura de fracasso em seu corpo e as pessoas vão ver isso assim que colocarem os olhos em você.

Mas se mesmo sentindo-se um fracasso você tiver uma postura corporal de alguém bem resolvido com a vida, as pessoas também vão responder a isso e automaticamente vão te tratar de outra maneira.

Isso pode significar a diferença em conquistar uma mulher, conseguir uma vaga de emprego ou ser respeitado em seu meio, mesmo que em sua mente você se sinta completamente diferente, se em sua postura perante aos outros você se mostrar um vencedor, elas acreditarão.

Bom, a essa altura você deve estar pensando, mas de que adianta uma pessoa parecer algo que não é, e aí voltamos ao início da reflexão. Não só os outros respondem a sua postura, mas você mesmo também pode se ver diferente.

Ao se sentir triste e fracassado, você começa a aceitar isso como seu estado normal, como seu lugar na sociedade e cada vez menos faz algo para mudar, mas a experiência de mudar coisas simples como sua postura e começar a observar que as pessoas vão te tratar diferente por isso, vai consequentemente mudar a sua visão sobre si mesmo.

Vai perceber que não apenas a postura pode mudar, mas essa mudança pode ser feita em muitos outros aspectos da vida também.

É fascinante como toda essa dinâmica social e pessoal funciona, principalmente pelo que não é dito e nem visto. A grande maioria das pessoas hoje só lidam com o que veem e sentem, mas o mundo real e a real natureza das pessoas se escondem nos detalhes.

Pra finalizar eu deixo um trecho do próprio livro:

Talvez você seja um perdedor, talvez não – mas se for um não precisa continuar assim. Talvez você tenha maus hábitos. Talvez tenha uma coleção deles. No entanto, mesmo que você tenha se deparado com sua má postura honestamente – mesmo que tenha sido impopular ou sofrido bullying em casa ou na escola – isso não é mais adequado agora, as circunstâncias mudam.

Assista também!

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS